Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estro

Estro do meu ego guarda a minha poesia, sem preocupações de forma ou conteúdo, apenas narrativas do que me constitui...

Estro do meu ego guarda a minha poesia, sem preocupações de forma ou conteúdo, apenas narrativas do que me constitui...

Livros de Poesia - Sintra-me: XL - Monserrate

Monserrate.jpg

         XL

 

"MONSERRATE"

 

A meia serra nasce, no arvoredo,

Entre jardins... que inveja o paraíso,

Um monumento velho, pelo sizo,

Um palácio em ruínas, qual bruxedo.

 

De obras se ergueu, a meio rochedo,

Renascendo em fulgor como um aviso

De ser bem mais que um simples improviso,

Transformando romances... em segredo.

 

Monumento de amor apaixonado,

Uma envolvente teia, em Monserrate,

Novo Decameron, um xeque-mate,

 

Criando amor, paixão e mais, pecado.

Teríamos mais histórias que Boccaccio

Fossemos nós as torres do palácio!

 

Gil Saraiva

Livro de Poesia - Sintra-me : XXXIX - A Vida...

A Vida.jpg

  XXXIX

 

“A VIDA…”

 

Por entre o vento e frio da terra agreste,

Por entre a chuva agora copiosa,

Vendo nuvens de forma volumosa

Vindas do cardinal de noroeste,

 

Vejo surgir o Sol, que a terra veste.

Uma figura vem, bem mais formosa

Do que uma primavera gloriosa,

Rompendo o vento frio, que vem de leste.

 

És tu que chegas perto, meu amor,

Com o Sol nos cabelos trazes luz,

Com um brilho dos olhos que seduz

 

Até a terra morta e sem calor,

Obrigando o inverno à despedida.

Vem! Qual verão tropical tu és a vida…

 

Gil Saraiva

 

Livro de Poesia - Sintra-me : XXXVIII - Timidez

Timidez.jpg

 XXXVIII

 

"TIMIDEZ"

 

Vai ao anoitecer haver luar...

Das nuvens nós faremos fértil cama

E servirão cometas, cauda em chama,

Para lençóis tecermos com vagar...

 

Vai ao entardecer ferver o ar,

Na orvalhada terra cozer lama,

E vai a própria vida arder de fama

Ao sentir duas almas gémeas, par,

 

Prontas pra se fundirem num só grito...

Vai ao anoitecer tecer a Lua

Mantas de estrelas, capas de infinito,

 

Só pra cobrir a tua forma nua...

Vai o entardecer nascer cortês

Rendido ao teu sorriso e timidez!

 

Gil Saraiva

Livro de Poesia - Sintra-me : XXXII - A Adraga

A Adraga.jpg

  XXXVII

 

"A ADRAGA"

 

Desce estrelado o Sol até ao mar...

Voa a gaivota, em vê, o céu cortando...

Brilha suave a água, iluminando

A linha do horizonte e, devagar,

 

A própria areia emite o seu brilhar

E a paisagem, aos poucos, vai dourando.

Veste de negro a rocha, sombreando

O que o Sol já não pode iluminar...

 

Despe de luz a praia e no poente.

E eu espero ver surgir a sombra bela,

Do teu ser decorando esta aguarela,

 

Tornando a paisagem transcendente.

Ao pôr-do-sol, eu peço que uma vaga

Te faça vir em mim... aqui... na Adraga!

 

Gil Saraiva

Livro de Poesia - Sintra-me: XXXVI - Mar e Terra

Terra e Mar.jpg

     XXXVI

 

“MAR E TERRA”

 

O teu olhar sem fim bebeu selvagem,

Este meu pobre ser, desgovernado...

Perante um corpo assim tão torneado,

Eu me rendi à divinal paisagem.

 

Se o teu ser me pedia uma massagem,

O meu, em ti, ficou paralisado.

A custo, de meus dedos fiz arado

E com eles lavrei uma passagem

 

Por vales, por encostas, com ternura,

Em momentos roubados ao prazer,

Que entre nós cresceu no verbo ter,

 

Sorrindo no secreto da loucura.

Vampírica paisagem, que sem guerra,

A ambos transformou em mar e terra...

 

Gil Saraiva

Livro de Poesia - Sintra-me : XXXV - Navegar

Navegar.jpg

   XXXV

 

"NAVEGAR"

 

Na frescura da derme acetinada

Se refletem odores de sangue quente...

Reveste-lhe esse corpo a alma ardente,

Que no brilho do olhar se vê espelhada...

 

Génese de uma vida, de uma estrada,

Que apenas é trilhada por quem sente

O ser selvagem, por detrás da mente,

Que no sorriso parece tudo e nada...

 

É morno o toque, doce o paladar,

Fervente o cerne, corpo já sem mágoa,

Que parece nesta hora ir navegar

 

Em taças de luar ou em rios de água,

Onde apenas navega uma certeza:

A chama que o amor mantém acesa!

 

Gil Saraiva

Livro de Poesia - Sintra-me : XXXIV - Grande

Grande.jpg

  XXXIV

 

“GRANDE”

 

Grande no peito, coxas e assento,

Grande nos olhos, grande no sorrir,

Grande na alma, grande no sentir,

Grande no verbo amar, no sentimento,

 

Grande no ser mulher, no pensamento,

Serena a acordar, grande a dormir,

Bem grande a dar a mão e grande a rir,

Mas tão grande que chama brisa ao vento,

 

Que o mar é gota de água transparente

E saudades minutos que não passam,

Dramáticos instantes que a ameaçam,

 

Pois dar o coração é estar presente…

Tu és assim tão grande que, p'ra mim,

Duna vira deserto e flor… jardim…

 

Gil Saraiva

 

Livro de Poesia - Sintra-me : XXXIII - Pena Infinita

Pena Infinita.jpg

      XXXIII

 

“PENA INFINITA”

 

Que mais posso dizer sobre este amor?

Adjetivar o quê que falte ainda?

A poesia eu já darei por finda

Ou falta-me algo mais para a compor?

 

Falar, talvez, da alma e em louvor

De como, em mim, ela é sempre bem-vinda,

Gritar pelos pulmões que é bela e linda

Ou dar palestras nobres do fulgor

 

De como sou amado, em cada dia,

Talvez... dizer, em verso, que é divina,

Quanto tem de selvagem e menina,

 

Como sem ela morre a poesia.

Sim, porque, enquanto a amar, minha alma grita

P'la tinta desta pena infinita!

 

Gil Saraiva

Livro de Poesia - Sintra-me : XXXII - Perdido

Perdido.jpg

    XXXII

 

"PERDIDO..."

 

Contigo quero ter o sexo porno,

Lascivo, sado, louco, inconcebível...

Contigo quero ter indescritível

Noite de amor, ao rubro, como um forno...

 

Contigo quero ser metal no torno,

Pronto pra ver moldado de impossível

Meu aço, às tuas mãos, inconcebível...

Contigo quero ter o beijo morno,

 

Dado pelos amantes imortais,

Em noites, p'los poetas, não sonhadas...

Contigo quero ver as madrugadas

 

Plenas de nós e amor, entre teus ais...

Contigo quero amar, louco, varrido,

E dentro do teu ser dar-me perdido!...

 

Gil Saraiva

Livro de Poesia - Sintra-me : XXXI - Pandora

Pandora.jpg

    XXXI

 

"PANDORA"

 

Na secreta penumbra de meu quarto

A noite chega esbelta, uma vez mais,

Com abraços divinos, nupciais,

Me aquecendo o sangue de lagarto...

 

Ligo o computador e outra vez parto

P’la caixa de Pandora, como um cais,

Em que o barco sou eu e outros mortais

Com quem as minhas letras eu reparto...

 

Nesta mágica caixa sem demora,

Buscando o raio dourado de outro Sol,

Em mundos onde eu possa ser farol,

 

Eu procuro o segredo de Pandora...

Que a bruma se desfaça, finalmente,

Que o mistério passou a evidente!...

 

Gil Saraiva

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub