Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Estro

Estro do meu ego guarda a minha poesia, sem preocupações de forma ou conteúdo, apenas narrativas do que me constitui...

Estro do meu ego guarda a minha poesia, sem preocupações de forma ou conteúdo, apenas narrativas do que me constitui...

Livro de Poesia - Paradigmas do Meu Ego: Palavras - VI

Palavras.jpg

"PALAVRAS"

 

Pensemos

Em tudo o que nos constitui,

Em qualquer universo

De existir...

 

Aqui!

Neste mundo em que vivemos,

Enquanto seres

Que se desenvolvem

Pela comunicação das partes

Com o todo,

Na nossa realidade,

De humanos

Que se movem

Pelas relações entre eles

E o próprio meio...

 

 

Aqui,

Onde aquilo que mais depressa

Se devora, consome

Ou se assimila e que,

Por outro lado,

Mais produz, cria

Ou desenvolve é,

Com inequívoca certeza,

A Palavra.

 

Esse conjunto de letras certas,

Absolutas ou relativizadas,

E não um qualquer paleio

Ou palavreado em abstrato...

 

Não se trata

De uma simples conversa

Sem sentido

Ou mera circunstância...

Não!

Importa sim o ato criativo

Que nos ajuda a pensar e progredir...

 

Importa realmente a expressão última

Que nos torna comunicativos,

Únicos e humanos:

A Palavra.

 

Em suma:

Nada é tão apelativo

Como uma boa meia dúzia

De doces palavras...

 

Ditas no momento correto,

Na altura exata,

À pessoa certa!

 

É imenso o valor dessa

Palavra!...

 

Tudo se constrói pela linguagem!

Tudo se pensa pela soma

De palavras

Em contínuo turbilhão...

Tudo se vive e vibra

Nas palavras...

 

Caem governos

Por uma palavra

A mais ou a menos,

Sobem e descem ações,

Vivem dela os Mercados,

Vive a crise, a inflação.

Até a Lei e a ordem

Da palavra fazem força.

Descreve a queda do Euro,

O confisco dos mais pobres

E o fausto

Dos magnatas...

 

Ficção ou realidade;

Sonho ou existir;

Ser ou Não Ser;

Liberdade ou tirania;

Meu Deus...

Palavras!

 

A tentação

Última dos poetas:

Sobreviver

Depois do Ser!

 

E renascer nas páginas

Que deixam

Para a eternidade

Somatórios de letras,

Que lhes darão vida,

Após a morte:

Palavras!

 

Palavras

Que se escrevem a sangue

Ou no vermelho dos cravos,

Fáceis de dizer,

difíceis de cumprir:

Paz, Liberdade, Solidariedade,

Saúde, Vida...

 

Palavras,

Matamos por elas,

Sofremos por elas,

Morremos por elas,

Mas também nascemos, vivemos,

Sentimos, rimos e festejamos

Por elas.

 

Que se calem jamais essas palavras.

 

Gil Saraiva

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Meus Blogs: Crónicas. Poesia, Humor, Beijos

Músicas que adoro

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub