Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Estro

Estro do meu ego guarda a minha poesia, sem preocupações de forma ou conteúdo, apenas narrativas do que me constitui...

Estro do meu ego guarda a minha poesia, sem preocupações de forma ou conteúdo, apenas narrativas do que me constitui...

Livro de Poesia - Díscolas de Runim Iaiá: Matar a Sede II - XXXV

Matar a Sede.jpg

        XXXV

 

"MATAR A SEDE II"

 

Pouco depois da minha meninice,

Nesse dia, no qual te conheci,

Eu renasci, amor, e só por ti

Tenho a certeza. Sim! Não foi tolice,

 

Foi antes um ataque de meiguice,

Que me chegou ao ventre e que sem ti

Me faz achar que nada eu vivi

Como se em toda a vida eu só dormisse.

 

E preciso não foi que houvesse sexo

Para me sentir bela, doce, leve,

Qual gota de água, derretida neve,

 

Que brilha, à luz do Sol, num só reflexo.

Sinto-me presa, qual osga em parede,

Vá! Vem, em mim, amor, matar a sede!

 

Ariana Telles

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub