Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Estro

Estro do meu ego guarda a minha poesia, sem preocupações de forma ou conteúdo, apenas narrativas do que me constitui...

Estro do meu ego guarda a minha poesia, sem preocupações de forma ou conteúdo, apenas narrativas do que me constitui...

Livro de Poesia - Estrigas do Dilúculo dos Lamentos: Alegre Vida - XXXIV

Alegre Vida.jpg

     XXXIV

 

"ALEGRE VIDA"

 

Foder, com violências de amargura,

A racha inerte da mulher, na cama,

Na rotina de merda de quem ama

Cotidianamente, em noite escura...

 

Cobrir, só por cobrir, a vaca impura,

"- Nem um orgasmo tem a puta infama!"

Pensa o marido farto e já reclama:

"- Dá-me, ao menos, gozo, pois ternura

 

Nunca me deste, a mim, em toda a vida!"

Reflete, agora, ela tristemente:

"- Mas que mais quer de mim o vil cabrão?...

 

Só pensa em despejar... e eu fodida,

De perna aberta sofro a cada instante..."

Como é alegre a vida em comunhão!

 

Gil Saraiva

 

 

 

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Gil Saraiva 11.09.2020 20:47

    Com efeito este soneto não atingia o seu objetivo sem a linguagem utilizada.

  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Mais sobre mim

    foto do autor

    Sigam-me

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Links

    Meus Blogs: Crónicas. Poesia, Humor, Beijos

    Músicas que adoro

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub