Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Estro

Estro do meu ego guarda a minha poesia, sem preocupações de forma ou conteúdo, apenas narrativas do que me constitui...

Estro do meu ego guarda a minha poesia, sem preocupações de forma ou conteúdo, apenas narrativas do que me constitui...

Livro de Poesia - Melopeias Róridas Entre Armila e Umbra: A Aurora - VI

A Aurora.jpg          VI

 

“A AURORA”

 

O crepúsculo anunciou o chegar da noite.

Vem cedo a escuridão neste fim de outono.

O Natal está à porta e traz o Inverno,

O frio vem com ele e já tem mais força.

A pandemia alastra pela multidão.

O ano chega ao fim sem ninguém notar.

Por todo o lado há lojas recheadas

De fazer inveja a quem não tem como comprar.

 

A noite, no hemisfério norte, é longa, gélida e agreste.

Falta-lhe a vida que, de dia, põe as gentes a circular.

Não guardam as luzes os perdidos, que não têm onde pernoitar.

Há quem lhes chame sem-abrigos, eu prefiro dizer: sem amor!

 

A noite avança firme, sempre assim tão fria,

Tem horas e horas para se fazer notar.

E nas casas dos ricos há calor e lar,

Porque nas outras existem os cobertores,

Curandeiros do frio, uns altivos senhores.

Nada que gere a queda da Bolsa, pela manhã

Que há de chegar com o regresso da aurora.

Mas isso são contas do rosário de amanhã.

 

Por fim, a aurora desperta as gotas de orvalho,

Sente-se a claridade a chegar da neblina,

Vem feliz, trazendo a luz solar, vem traquina,

Que as luzes de Natal só se aquecem a si.

Desperta o sem-abrigo antes da cidade,

Tem de sair dali para não ficar a mais,

Guarda os cobertores de cartão, sem mocidade,

Que deles precisará de novo ao fim da tarde.

 

A aurora despertou o dia

E com ela a manhã sorriu

No riso muito chilreado

Da passarada agora acordada.

Louva-se o Natal nas igrejas,

Nos cafés surge a gargalhada

De gente que come apressada,

Porque o dia é para trabalhar!


A névoa sobe e vira suave e fria chuva,

Nuvens iluminadas pela madrugada,

Aquece a relva, gera-se ali a fotossíntese,

Que o Sol, já alto, protege, acolhe e ilumina.

Reabrem as escolas em vésperas de férias,

Sorri maroto um garoto a uma menina

Tudo sorri também por criação divina,

É tempo de paz. Quem lembra os refugiados?

 

A aurora traz a nu, a crua realidade,

E pouco muda para o lado dos coitados.

Mas é tão linda, no outono, a minha cidade!

 

Gil Saraiva

 

 

 

4 comentários

  • Imagem de perfil

    Gil Saraiva 15.02.2022 20:38

    Verdade, no entanto, retirando aqueles que já parecem nascer deprimidos sem saberem bem porquê, os outros, seja no interior, no campo, à beira rio, junto ao mar ou nas cidades, podiam ter uma solução bem mais válida de inclusão. Assim todos dessem um passo nessa direção.Era esse o seu papel nas primeiras civilizações, eles formavam honrozamente o núcleo do anciãos. Atualmente, as soluções poderiam abrager as mais diferentes áreas, mas poucos querem saber de tal problema. Estamos num ponto civilizacional de descartar tudo para adquirir algo novo.Sendo como sou, ainda estou convencido que um dia a coisa vira.


  • Imagem de perfil

    Isa Nascimento 15.02.2022 22:09

    Eu convencida não estou, mas conservo a esperança de que "um dia a coisa vire".
  • Imagem de perfil

    Gil Saraiva 16.02.2022 00:49

    Por isso é que o povo diz que a esperança é a última a morrer.

  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Mais sobre mim

    foto do autor

    Sigam-me

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub