Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Estro

Estro do meu ego guarda a minha poesia, sem preocupações de forma ou conteúdo, apenas narrativas do que me constitui...

Estro do meu ego guarda a minha poesia, sem preocupações de forma ou conteúdo, apenas narrativas do que me constitui...

Livro de Poesia - Melopeias Róridas Entre Armila e Umbra: Ucrânia, Balada dos Escombros à Solta - X

Ucránia, Balada dos Escombros à Solta.jpg                                                 X

 

"UCRÂNIA, BALADA DOS ESCOMBROS À SOLTA”

 

Sob a bandeira azul, amarela,

Ao som das sirenes sob céu estrelado

Vão vindo misseis, fecha-se a janela,

Rebenta com estrondo o chão asfaltado.

Eles vêm com tudo, mancha aguarela,

Cinza, encarnado, cheira a pecado,

Transformam o bairro em pobre favela,

Escombros à solta no cimento armado.

 

Por toda a Ucrânia há fogo e tiros,

Avançam tanques da frente encarnada,

Por todo o lado parecem vampiros,

Que não dão valor à vida sugada.

Eles vêm com tudo, mancha aguarela,

Cinza, encarnado, cheira a pecado,

Transformam cidade em pobre favela,

Escombros à solta no cimento armado.

 

E os russos invadem contra os destemidos

Ucranianos só de capa e espada,

Lutam como podem, mas estão unidos,

Ninguém lhes tira a sua terra amada.

Eles vêm com tudo, mancha aguarela,

Cinza, encarnado, cheira a pecado,

Transformam país em pobre favela,

Escombros à solta no cimento armado.

 

E o velho Putin chafurda no lodo,

Qual novo czar, não conhece lei

E vale mesmo tudo o que seja engodo,

De urso quer ser imperador e rei.

Eles vêm com tudo, mancha aguarela,

Cinza, encarnado, cheira a pecado,

Transformam povo em pobre favela,

Escombros à solta no cimento armado.

 

Eles vêm com tudo, mancha aguarela,

Cinza, encarnado, cheira a pecado,

Transformam o bairro em pobre favela,

Escombros à solta no cimento armado.

Transformam cidade em pobre favela,

Escombros à solta no cimento armado.

Transformam país em pobre favela,

Escombros à solta no cimento armado.

Transformam povo em pobre favela,

Escombros à solta no cimento armado.

 

Mas o urso velho esqueceu coragem

De um povo unido pela sua terra,

Juram que, por Deus, não há vassalagem,

Perdem a mudez num grito de guerra!

Eles vêm com tudo, mancha aguarela,

Cinza, encarnado, cheira a pecado,

Transformam país em pobre favela,

Mas ninguém segura aquele povo armado!

 

Gil Saraiva

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub