Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Estro

Estro do meu ego guarda a minha poesia, sem preocupações de forma ou conteúdo, apenas narrativas do que me constitui...

Estro do meu ego guarda a minha poesia, sem preocupações de forma ou conteúdo, apenas narrativas do que me constitui...

Livro de Poesia - O Donaire do Proterótipo Ordinário: Balada da Segunda Oportunidade - XI

Baladada Segunda Oportunidade.jpg                                           XI

 

"BALADA DA SEGUNDA OPORTUNIDADE"

(Cantar com a música d’ “Onde vais rio que eu canto” de Sérgio Borges)

 

Quero o fim desta ansiedade,

E ganhar um novo alento,

Segunda oportunidade,

Que a primeira foi tormento.

 

Aqui se busca amizade,

Ajuda p’ra solidão.

Busca solidariedade,

Busca-se um sonho irmão.

 

Busca-se um sonho irmão,

Uma alma gémea na senda

De um caminho de paixão,

De um ser que nos compreenda.

 

De um ser que nos compreenda,

Que nos livre do passado,

Um alguém que nos entenda,

Um alguém p’ra ter ao lado.

 

Quero o fim desta ansiedade,

E ganhar um novo alento,

Segunda oportunidade,

Que a primeira foi tormento.

 

Quero viver em pecado

E aquecer os pés de inverno,

Um alguém apaixonado,

Que me tira do inferno!

 

Que me tire do inferno,

Que me dê a mão amiga,

Um meigo existir eterno,

Que tudo o resto é cantiga.

 

A quem dedico a cantiga,

A quem dou meu coração,

Onde descanso a fadiga

Na esperança da comunhão.

 

Quero o fim desta ansiedade,

E ganhar um novo alento,

Segunda oportunidade,

Que a primeira foi tormento.

 

Alcançar a salvação,

E gritar felicidade,

Quero é nesta união

O fim de tanta ansiedade.

 

O fim de tanta ansiedade

O ganhar de um novo alento,

Transformando esta saudade

Em folha que leva o vento!

 

Em folha que leva o vento,

Seja no campo ou cidade,

Não quero mais desalento,

Quero o fim desta ansiedade.

 

Quero o fim desta ansiedade,

E ganhar um novo alento,

Segunda oportunidade,

Que a primeira foi tormento.

 

O fim de tanta ansiedade

O ganhar de um novo alento,

Transformando esta saudade

Em folha que leva o vento!

 

O fim de tanta ansiedade

O ganhar de um novo alento,

Transformando esta saudade

Em folha que leva o vento!

 

Gil Saraiva

 

Nota: Letra para a Banda de bairro “Ecos da Cidade” (últimos 20 anos).

 

 

 

6 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub