Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Estro

Estro do meu ego guarda a minha poesia, sem preocupações de forma ou conteúdo, apenas narrativas do que me constitui...

Estro do meu ego guarda a minha poesia, sem preocupações de forma ou conteúdo, apenas narrativas do que me constitui...

Livro de Poesia - Plectros de um Egrégio Tetro Umbrático: Lago Negro - IV

Lago Negro.jpg

       IV

 

"LAGO NEGRO"

 

Um lago negro

Em cristalino olhar

Reflete uma cândida ternura

Na busca de outros olhos

Que ao brilhar

Iluminam o lago, por ventura,

Por desejo, sonho ou ilusão,

Trazendo esperança, vida e emoção…

 

Hoje, agora e sempre,

No quotidiano dia-a-dia,

O lago de antracite faz sentir

Que o pôr-do-sol

Afaga as sombras

Mas não a saudade,

Que esta nunca teve bruma ou escuridão.

 

A pouca distância, escuta-se um vento,

Que vem vindo, soprando em assobio agreste

Uma melodia que fala de amor,

Porque o amor nunca foi suave…

Sopra da praia, deserta na pandemia

Por decreto do Estado de Emergência,

Acompanhando o grito do mar

Que berra uma agonia

À areia da beira-mar,

Pejada de turistas de plástico e alumínio,

Que a maré trouxe clandestinamente à costa

Sem defesas ou decretos que lhe valham.

 

A natureza agita-se revoltada,

Talvez porque a vida não tem partos sem dor,

Mas além, onde o lago negro vê

Chegar de mansinho o crepúsculo,

Que antecede a escuridão,

As formas tornam-se confusas,

E não há diafragma

Que ajude à nitidez dos registos e das formas.

Afinal, nesta guerra entre luz e breu,

Só uma nova aurora,

Num amanhã ainda não lembrado,

Pode trazer ao espaço o regresso das imagens,

Porque a esperança

Precisa de luz,

Tal como o lago negro,

Para poder brilhar.

 

Sinto que o lago negro

Busca um espelho irmão,

Um olhar procurando outro olhar que desconhece,

Uma procura insana que acontece,

Para que o lago brilhe na sua escuridão.

De súbito, um sorriso perdido,

Adormecido,

Por entre os cabelos da quase noite,

Naquele iniciar de primavera,

Já com uma hora a mais de novo horário,

Parece surgir de uma janela

Onde alegre chilreia um canário.

 

Alguém aparenta procurar dar a mão

 A uma outra que seja solidária,

Na esperança de que a noite que chega

Não lhe diga, sem porquês, apenas não,

Contrariando a pedra calcária

Da calçada portuguesa,

Que se mostra bem mais revolucionária,

Naquele jardim onde brilha o lago negro.

 

Os cabelos da noite invadem a paisagem,

Apontando mistérios por entre a neblina,

Ninguém vê o olhar de uma mulher, menina,

Procurando o brilhar do negro lago,

Como quem busca conforto ou afago,

Com quem possa por fim se descobrir

No sorriso de um olhar que há de vir…

 

Gil Saraiva

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub