Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Estro

Estro do meu ego guarda a minha poesia, sem preocupações de forma ou conteúdo, apenas narrativas do que me constitui...

Estro do meu ego guarda a minha poesia, sem preocupações de forma ou conteúdo, apenas narrativas do que me constitui...

Livro de Poesia - Sintagmas da Procela e do Libambo: Tragédia em 4 Atos - Kobane - Migrantes Depois de Refugiados - V/2

Migrantes Depois de Refugiados.jpg

                      V

 

"TRAGÉDIA EM QUATRO ATOS -  KOBANE"

 

                      2

 

" MIGRANTES DEPOIS DE REFUGIADOS"

 

Entre bombas, escombros, sangue e tripas,

Foge quem pode

Porque a guerra é cega,

Não vê mulheres

Nem crianças,

Não vê nada

Nem ninguém.

 

A música virou ruído e o ruído trovão;

O povo não quer Bashar al-Assad

Nem o Estado Islâmico,

Quer uma Síria de paz dizem os sírios,

Quer um Estado Curdo

Gritam os oprimidos,

Mas o Estado é surdo

Seja islâmico ou não.

 

A guerra veste de santa, clama justiça

E todos se dizem senhores

Da razão e da verdade,

Mas ninguém dá ouvidos a ninguém;

Morrem civis aos milhares,

Gente de carne e osso,

Sem limite de idade,

De género, de etnia

Ou de religião,

Morrem porque estavam ali,

No local errado,

Na hora errada,

Apenas e mais nada.

 

Perante a atrocidade

Dá-se a debandada

E o povo foge,

Procura refúgio

Nos países mais perto,

Mas é enlatado

Em campos de fome e aperto,

Sem condições são refugiados

Que parecem presos,

Tratados a monte

Na beira da vida…

 

E honrosas exceções não fazem a regra,

Nem estancam a ferida

Aberta pela guerra.

 

Só de Kobane,

De Ain al-Arab,

Da fonte dos árabes,

Centenas, milhares, quase meio milhão,

Fugiu, deixou tudo,

Que a fonte secou,

Procurando o direito a não morrer,

Sem explicação ou sentido,

Com os filhos pela mão

Tão vazia de pão…

 

Chegados à Turquia,

Vizinha, interesseira,

São refugiados, amontoados,

E serão tratados

De qualquer maneira,

Sem dignidade, consideração

Ou sentimento …

E às portas da Europa,

Qual El Dourado,

Viraram migrantes,

Em sofrimento,

Na busca de luz, de vida, de paz,

Mortos de tudo, sem um capaz…

 

Gil Saraiva

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Meus Blogs: Crónicas. Poesia, Humor, Beijos

Músicas que adoro

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub