Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estro

Estro do meu ego guarda a minha poesia, sem preocupações de forma ou conteúdo, apenas narrativas do que me constitui...

Estro do meu ego guarda a minha poesia, sem preocupações de forma ou conteúdo, apenas narrativas do que me constitui...

Livro de Poesia - Divagações Quase Líricas - Balada dos Montes Quentes - XI

Balada dos Montes Quentes.jpg

                     XI

 

"BALADA DOS MONTES QUENTES”

 

À noite sonhei contigo,

Sonhei um sonho de amor,

Vi em teu peito um abrigo,

Nele sequei meu fulgor...

 

Senti a pele macia,

Sob a dureza dos cumes,

Senti que todo eu ardia

Num epicentro de lumes...

 

Passei a língua molhada

Sobre essa derme aquecida,

Esqueci de tudo, de nada,

E renasci para a vida...

 

À noite sonhei contigo,

Sonhei um sonho de amor,

Vi em teu peito um abrigo,

Nele sequei meu fulgor...

 

Trinquei de leve, com jeito,

A carne fofa, encantada,

E essa trinca em teu peito

Deixou-me a calça molhada...

 

Logo envolvi os meus lábios,

A doce alvura cercando,

Beijos que, não sendo sábios,

Lá aprenderam amando...

 

À noite sonhei contigo,

Sonhei um sonho de amor,

Vi em teu peito um abrigo,

Nele sequei meu fulgor...

 

Suguei-te doido, perdido,

Mamei sem sede de leite,

De novo fui atrevido,

Senti nas calças o azeite...

 

Fervia já, todo eu,

Nessas montanhas montado,

Tocando no que era teu

E me sentindo tocado...

 

À noite sonhei contigo,

Sonhei um sonho de amor,

Vi em teu peito um abrigo,

Nele sequei meu fulgor...

 

E as minhas mãos deslizaram

Sobre os pecados mortais,

E, essa carne apertaram,

Entre os meus e os teus ais...

 

E já a roupa tiravas,

Nesse sonho que sonhei,

Logo quando te entregavas,

Por azar, eu acordei...

 

À noite sonhei contigo,

Sonhei um sonho de amor,

Vi em teu peito um abrigo,

Nele sequei meu fulgor...

 

E os seios, de almofada,

Eram só penas de pato,

Na fronha que, enfeitiçada,

Quase conseguiu um ato...

 

Simples pano de algodão,

De um palácio fez cabana,

Mente quem diz, sem razão,

Que o algodão não engana...

 

Gil Saraiva

 

Nota: Letra para a Banda de garagem “Rock Spot Alive” (anos 80).

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub