Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estro

Estro do meu ego guarda a minha poesia, sem preocupações de forma ou conteúdo, apenas narrativas do que me constitui...

Estro do meu ego guarda a minha poesia, sem preocupações de forma ou conteúdo, apenas narrativas do que me constitui...

Livro de Poesia - O Donaire do Proterótipo Ordinário: Desejos de um Zé Ninguém - II

Desejos de um Zé Ninguém.jpg                                 II

 

"DESEJOS DE UM ZÉ NINGUÉM"

 

Pensar não custa nada mesmo

E nem impostos paga, de momento,

Porque não posso, então,

Eu querer o mundo?

Fazer o que desejo a esmo,

Tornar realidade o pensamento,

No tempo certo,

Ao minuto ou ao segundo?

 

É difícil, preciso batalhar.

Não depende só de mim

E do que eu quero?

Que venha a batalha a conquistar

E se for preciso esperar,

Eu também espero!

Tenho desejos de um Zé Ninguém

E não me importo,

Preciso de na alma ter alguém,

Com quem luto

E de quem sou porto.

Mais do que isso,

O que vier, virá por bem!

 

Eu quero amar o ser,

Feito à medida

De tudo o que sou,

Faço e gosto,

Eu quero ser entrada e ser saída.

E não me digam

Que há mais quem mereça

Que o que me interessa a mim,

É importante!

Sem cérebro e cabeça

O corpo é indiferente,

E eu procuro o todo,

Um todo vibrante,

Que de mim arranque vida,

Amor e mente,

Pois que serei, também,

Servo e almirante.

 

O que quero de ti é outro bem,

E não quero, amor, eu ter recusa,

Quero sentir teu sangue

A cada instante,

Pulsar nas minhas veias

Porque abusa

De tudo o que me constitui e faz amante.

 

Vem escorrer no meu corpo

O corpo meigo

Do teu existir belo e fascinante

E faz de mim o crente, agora leigo.

Vá, vem-me conquistando

Ternamente,

Com tua alma singela, tão saudosa,

A quem a minha, calmamente,

Se vai também juntando

Ao sentir-te a coragem valorosa,

Me atraindo num olhar perdido e brando

Ao esticares essa mão,

Assim, gloriosa.

 

Vá, vem-me dar vida

E vem-me libertando

Da solidão que é ferida,

Que fere a alma e magoando

Parece habitar em toda a parte.

Vá, vem parir estes desejos

De Zé Ninguém, cobrir de beijos,

Vem dar-me a vitória feita arte,

Pois que de ti

Não há como - vá lá, sorri -

Jamais, nunca, me farte!

 

Gil Saraiva

 

 

 

Livro de Poesia - A Exoração do Postremo: Ninguém o Quis - XV

Ninguém o Quis.jpg

          XV

 

"NINGUÈM O QUIS”

 

Morrer

No mais profundo anonimato,

Como a abelha,

A mosca

Ou o moscardo.

Morrer

Com o nome de bastardo

Gravado a ferros

Em mim e só em mim,

Já tatuado!

 

Eu que bastardo não sou,

Mas o que importa,

Se o ferro o gravou,

Fechando a porta.

 

Eu vou morrer no eco dos sentidos,

Num abraço,

De garganta sedenta

Por bagaço,

Por uma vida que me mata

A cada passo.

 

Mas antes de morrer,

Que mais, então?

Não sei para onde vou

Ou o que fiz.

Durante toda a vida, este meu ser,

Nunca soube servir ou ser feliz,

Nem comover,

Talvez,

Também,

Porque ninguém o quis.

 

Gil Saraiva

 

 

 

Livro de Poesia - Desvarios em Sol-Posto - Zé Ninguém - VIII

Zé Ninguem.jpg

       VIII

 

"ZÉ NINGUÉM"

 

Ele é mesmo

Um Zé Ninguém,

Ninguém sabe

De onde vem,

Como pode então

Um dia

Ele ser alguém?

 

Ele não tem

Opinião,

Nem passado, nem futuro,

Tem na mão

Um presente sem seguro...

 

Zé Ninguém

És tu e eu,

Outro alguém

Que já viveu...

Zé Ninguém,

Quantos assim o mundo tem?

 

Zé Ninguém

Não topa nada,

Não entende uma charada,

Mas serás tu mesmo cego

Zé Ninguém?

 

Zé Ninguém

Existes,

És ninguém,

Persistes,

És espantoso

Zé Ninguém

Nunca desistes...

 

Ele não tem

Opinião,

Nem passado, nem futuro,

Tem na mão

Um presente sem seguro...

 

Zé Ninguém

És tu e eu,

Outro alguém

Que já viveu...

Zé Ninguém,

Quantos assim o mundo tem?

 

Ele é mesmo

Um Zé Ninguém,

Ninguém sabe

De onde vem,

Como pode então

Um dia

Ele ser alguém?

 

Como pode então

Um dia

Ele ser alguém?

 

Como pode então

Um dia

Ele ser alguém?

 

Gil Saraiva

 

Nota: 1) Letra para a Banda de garagem “Rock Spot Alive” (anos 80).

 

 

 

Livro de Poesia - Desvarios em Sol-Posto - Ninguém ou Nada - VI

Ninguém ou Nada.jpg

           VI

 

"NINGUÉM OU NADA"

(Fado do Amor Sentido)

 

Trago guardado na memória

Uma simples negra caixa,

Um registo, a minha história,

Um passear pela Baixa...

 

Um sorriso, um olhar,

E coisas que já mudaram,

Um passado por passar,

Também trago as que ficaram...

 

Mas de tudo o que passou,

Do que eu vi, do que eu vivi,

Ninguém ou nada igualou

O que ‘inda hoj' sinto por ti...

 

Lembro os amores do passado,

Os amigos, os momentos,

Quem está vivo ou acabado,

As ruas, os monumentos...

 

Lembro as mudanças já feitas

Nas fachadas, nas cidades,

Lembro ações imperfeitas,

Revoluções, liberdades...

 

Mas de tudo o que passou,

Do que eu vi, do que eu vivi,

Ninguém ou nada igualou

O que inda hoje sinto por ti...

 

E se há quem eu nunca esqueça,

Locais agora só meus,

Também há quem não mereça

Sequer o banco dos réus...

 

Tudo e todos amo enfim,

Pois tudo foi o que sou:

Histórias, um resto de mim,

Que cresceu, que se alterou...

 

Mas de tudo o que passou,

Do que eu vi, do que eu vivi,

Ninguém ou nada igualou

O que inda hoje sinto por ti...

 

Ninguém ou nada igualou

O que inda hoje sinto por ti...

 

Gil Saraiva

 

Nota: Letra de Fado escrita para o meu amigo fadista Zé de Angola.

 

 

 

Livro de Poesia: Achas de um Vagabundo - Quem...

Quem.jpg

"QUEM..."

 

Quem

Tem na esperança

O sussurrar cálido das marés?

 

Quem

Encontra no próprio reflexo a alegria

De vivo se sentir com confiança?

 

Quem

Procura sempre um amor

Sem temer ou mesmo desistir...?

 

Quem

Sabe que o impossível apenas demora

Mais tempo?

 

Quem

Sente o nascer do Sol

No crepúsculo insustentável da madrugada?

 

Quem

Jura que a palavra é só uma,

E uma apenas?

 

Um só alguém!...

E esse quem

Não tem o que temer,

Por que tremer,

Pois brilha mais alto,

Mais forte e mais além...!

 

E luta, como luta mais ninguém,

Mesmo na mais temível escuridão,

Acabando por encontrar, por conquistar,

E por sorrir, enfim, ao ver no espelho

A imagem refletora de um futuro

Que em cada segundo se torna presente...!

Que em cada impresente renasce em saudade!...

 

Assim...

Todos saberão conhecer o tal de quem,

Que no sussurrar ameno das marés,

Completará um próximo devir,

Com a forma simples de um sorrir...

 

Mas será realmente que esse quem,

Com a imatemática clareza dos sentidos,

Sente, o amor, sem incerteza?

Mesmo sem temer ou desistir?

Talvez...

 

Quantos ou quantas acharão sinais

E por engano se julgarão escolhidos?

Só quem acreditar que jamais

A ilógica absurda, de um tão grande amor,

Poderia servir de engodo vil

Ganhará a glória terminal!

 

E esse alguém terá...

No sussurrar cálido das marés,

Na alegria de vivo se sentir,

Na procura impossível sem temer,

No crepúsculo insustentável da madrugada,

No brilho mais alto, mais forte, mais além,

Na busca perdida pelos Limbos,

E na mais temível escuridão,

A taça da vitória conquistada,

A certeza de saber que o quem

É ele ou ela e mais ninguém!

 

Para mim,

Apenas importa esse meu quem!

E espero meu amor, querida, meu bem,

Que a taça seja eu e ela tua,

Tal como o infinito é mais além,

Tal como da Terra satélite é a Lua...

 

E só assim,

Por fim,

Na forma de um sorriso, feito belo,

O meu quem se refletirá da cara nua,

Por provir simples, franco, singelo,

Desse amado rosto, dessa face tua!

 

Gil Saraiva

Livro de Poesia: O Próximo Homem (Segunda Edição) - Cai o Medo - IX

Cai o Medo.jpg

      IX

 

"CAI O MEDO"

 

Cai o medo na cidade
E chamam-lhe noite.

Porém,
O Sol sorri ao Povo intimidado,
Mas para os que tremem
No calor
O eclipse aparente não existe
Pois, pura e simplesmente
Já estão cegos...

E para todos eles
As Trevas são reais...


Cegos de medo,
Sedentos de conforto e segurança,
Amantes do estável e do firme
Porque nada mais há de tão hipnótico...

Eles:
Cegos, sedentos e amantes,
São os condutores
Da noite eterna...

"- O Sol só queima o corpo,
Eu nunca o vi brilhar
Na minha alma..."

Parecem dizer as bocas mudas,
Fechadas na noite,
Cariadas de vontade própria...

Cai o medo na cidade
E chamam-lhe silêncio...

Ninguém ouve, ali, agora,
Os gritos dos amordaçados,
Calados pelo estômago,
Apagados no marasmo da noite
E do silêncio...

Cai o medo na cidade
Mas ninguém, ninguém,
Mesmo ninguém
O parece sentir...

No fundo
Todos somos autistas,
Na noite e no silêncio,
Do vil quotidiano...

O medo não vem no dicionário
É mero gene transmitido...

"- Antes sobreviver do que viver..."

Pensamos todos nós
Sem repararmos
Que o nosso pensamento é viciado...

Somos filhos da noite
E do silêncio...

Cai silenciosa a noite na cidade
E ninguém,
Mesmo ninguém repara
Pois só caiu de noite
E em silêncio...

 

Gil Saraiva

 

 

 

Livro de Poesia:- Paradigmas do Meu Ego: Caçadora de Sonhos

Caçadora de Sonhos.jpg

"CAÇADORA DE SONHOS"

 

Caçadora de sonhos

E tão sem saudade...

 

Armada de vida,

Carente de presas,

Eu... pela cidade

Procuro a saída

Encontro defesas

Na alma do mundo:

 

Ninguém se quer dar;

Ninguém sabe amar;

Ninguém quer, no fundo,

Saber encontrar

A paz, no profundo

Calor de um segundo...

 

Caçadora de sonhos

E tão sem saudade...

 

Eu vejo no dia,

Na noite bravia,

No caminho, na rua,

Entre gente, mais gente,

Vestindo essa moda

(Qual festa tardia

Ao néon da Lua),

A gente que mente

E em bares se acomoda...

 

E ali, nessa esquina,

Eu vejo no dia,

Na noite bravia,

Se vendendo toda,

Uma pobre menina

Que diz a quem passa:

"- Mil paus... tô na moda..."

 

No meio da praça,

Se vendendo toda

Joana sem caça,

Carente de presas,

Faz contas à vida:

"- Nem dá prás despesas...

Que porra de vida!..."

 

E gente infeliz,

Com hora marcada,

Passa e lhe diz:

"- Dou cem e mais nada..."

 

Caçadora de sonhos...

E tão sem saudade...

 

Eu já vejo agora

O riso da erva

Nos pés dessa serva,

Que vende por hora

O corpo... estragado...

De tão ser usado.

 

Caçadora de sonhos

E tão sem saudade...

 

Buscando, perdida,

A velha igualdade

Do mundo, da vida...

 

Buscando ilusões,

Conceitos, ideias,

Credos e orações,

Entre cefaleias...

 

Caçadora de sonhos

E tão sem saudade...

 

É assim: no leve sorriso

Dessa erva daninha;

No cato que cresce

Formando uma espinha;

Na espinha que pica

Aquela andorinha

(Coitada, infeliz,

Que sangue já chora),

 

Caçadora de sonhos

E tão sem saudade...

 

E choro de mágoa

O gozo sinistro

De certa gentinha,

Com cara de quisto

Pejado de tinha;

E a cara alegre

De um velho ministro

Que julga esconder

O que já foi visto...

 

Choro... choro e volto a chorar...

Mas... riem as luzes p’la cidade fora...

 

Riem de mim na noite vizinha;

Riem... riem como quem ri

De uma adivinha prá qual a solução

Não se avizinha...

 

Riem... riem enquanto meu ser

De novo chora,

Chora como ontem,

Como hoje e agora:

 

Chora as meninas

No meio da praça

Se vendendo todas

Ao primeiro que passa...

 

Caçadora de sonhos

E tão sem saudade...

 

Como posso caçar

Sonhos no mundo?

 

Como posso amar

Mais que um segundo?

 

Não tenho saudades

Da terra maldita,

Onde o direito

Não passa de fita...

Minha alma:

 

Caçadora de sonhos

É tão sem saudade...

 

Gil Saraiva

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Meus Blogs: Crónicas. Poesia, Humor, Beijos

Músicas que adoro

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub